BananinhaAzul porque um dia perguntei a cor de uma banana á minha filha e ela respondeu azul. Embora também pudesse ter este nome porque a cor azul é repetidamente relacionada com Autismo.
Com este blog passo a fazer uma das coisas que mais gosto de fazer que é escrever e escrevo sobre uma temática em que realmente tenho alguma coisa para dizer... Goste!

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Uma História Real...

Laura, nome fictício acedeu a dár-me uma entrevista sobre a sua vida particular... Os seus medos, pensamentos a mais ninguém confessados... a sua história. A história de uma mãe guerreira, uma mãe de duas crianças dentro do Espectro do Autismo...
 
 
 
O diagnóstico do seu filho é autismo? Que tipo?
 
Laura o mais novo é autismo clássico, porque, ele possui comprometimento forte nas três áreas.
O mais velho é asperger com traços savant
 
Está a falar das áreas de línguagem, interacção com os outros e comportamento?
 
Laura sim
 
Ele não tem línguagem?
 
Laura Não
 
E autonomia? Precisa de si para tudo?
 
Laura Com as terapias comportamentais e suplementos e medicação, começa a construção da comunicação, mas não da linguagem, só repete sons e poucos são contextualizados.
Atividades da vida diária como escovar dentes, banho, comer, ir ao banheiro é dependente, mas usa eletrônicos com excelência, computador, tv dvd, e pede água, comida, abre sacos, coloca a batatinha no prato coisinhas que está aprendendo... Como se vestir...
O mais velho é muito funcional, pouco ou como é?
 
Laura O mais velho é de alto funcionamento. Faz duas faculdades
 
Que idade é que eles têm?
 
Laura 6 e 18
 
Não tem mais filhos?
 
Laura Não
 
Vive com o pai deles?
 
Laura o mais velho está morando com o pai faz 4 anos.O mais novo mora comigo, depois que me separei do pai.E tenho um marido, que o adotou faz dois anos...
 
Pensa ter mais filhos?
 
Laura Não .Já vou fazer 40 e o risco de outro autista é graaaaaande
 
Tem medo?
 
Laura o meu mais novo é o oitavo diagnosticado na familia e a cada geração vem mais forte
 
Sente-se acompanhada ou sente falta de apoio? A sua familia deve estar familiarizada com o problema...
 
Laura isso é uma grande historia eu sou filha de uma amante do meu pai e os autistas são da família paterna.
Então eu só tive conhecimento deles qd fui investigar as origens dos meus familiares
não tenho contato com eles. Fui criada em colégio interno porque, minha mae me abandonou quando eu tinha 8 anos.
 
Tem falta de apoio?
 
Laura Sim  apesar de ter encontrado um grande companheiro, mas só tenho ele, não tenho outro familiar.
 
Sente-se sózinha? Mesmo quando não está?
 
Laura sim
 
Em relação à sua vida no geral, os seus maiores problemas estão relacionados com o autismo?
 
Laura sim, acho que sim, porque o autismo me afeta pela insegurança do futuro do menor
e eu tive diagnostico de autismo de auto funcionamento aos 16,na realidade traços autisticos aos 16 e autismo de alto funcionamento aos 19,ou seja, eu já tinha problemas com o autismo antes dos meus filhos
 
 
 O menor tem alguém na falta da mãe?
 
Laura Na prática não, por lei tem o pai
 
O pai interessa-se por ele?
 
Laura não.
o pai surtou com o diagnóstico e qd viu que o autismo dele era bem mais difícil do que o mais velho
não sabe nem chegar perto dele
ou que fazer com ele
 
Tenta?
 
Laura Não. Nem lê sobre o assunto
 
Então na prática ele só a tem a si...
 
Laura Sempre que nos falamos ele pergunta, se está bem e se já fala alguma coisa,
ele espera um milagre,ou acordar, sei lá...
E ele casou e teve outro filhoe só entra em contato a cada 3 meses que é quando vou levar o pequeno para vê-lo. Mas ele não fica por muito tempo, abraça beija e pronto...
 
Moram longe?
 
Laura mora em Recife e eu no Rio.
2000 kms,3 horas de avião
Quando ainda morava lá não era diferente.
Estou tentando convencer o mais velho a transferir a universidade pra cá
mas ele tem problemas com mudanças
 
 
 
Pensa no futuro dele ,quando ele não a tiver por perto?
 
Laura Já perdi muitas noites de sono com isso e hoje tento evitar esse pensamento e identificar o que poderia me substituir numa construção dia a dia.Se eu pensar muito nisso enlouqueço...
 
já passou por alguma depressão?
 
Laura Várias,que vaõ e vem...
 
Procurou ajuda médica, de psicólogo ou psiquiatra?
 
Laura Não
 
Tomou medicamentos?
 
Laura Antes dele e nos primeiros anos fiz terapia, mas nos últimos 3 anos não. Fiz um curso de cuidando do cuidador e isso me ajudou muito. Medicamentos não, já tomei muitos quando era criança e adolescente
 
Chegou a pensar em suicidar-se?
 
Laura Sim...desde os oito anos, depois dele também, mas não deixá-lo como já te disse leva-lo comigo. Doideira né?
 
Então chegou a imaginar como faria, ou pensou só que podia fazer?
 
Laura Imaginei sim, com medicação...
 
O que é que a impediu?
 
Laura Falhas, sequelas ou eu ir e ele não...
 
 
Ainda  pensa nisso?
 
Laura ÁS vezes uns flashes...
 
Perdeu a esperança?
 
Laura Esperança é uma palavra de efeito pra mim, não possui muito significado,
mas aprendi que devo viver o hoje, sem me desesperar...
 
E fé tem?
 
Laura Não,no sentido religioso
 
Sente-se desesperada?
 
Laura Não, desespero não.Quem faz suicídio geralmente não faz no desespero, é tudo bem calculado e cálculos requerem calma, claro que no meio de uma perturbação mas não desespero...
 
Voltando a esses pensamentos, o motivo era estar cansada da vida que tem com o autismo ou ter medo de deixar o seu filho sózinho?
 
Laura Acho que sem saída é a palavra,medo de deixa-lo sozinho e do sofrimento que isso iria gerar.
Nunca pensei em suicídio por estar cansada, mas sim por achar que não estou no lugar certo
não entendo o mundo, e poucas coisas fazem sentido..,
 
Que coisas está a falar?
 
Laura Trabalhamos, conhecemos pessoas, casamos temos filhos e eu vou fazendo isso, porque todo mundo diz que é isso que se deve fazer pra viver,mas, não entendo, acordar passar o dia e dormir
não vejo sentido nisso...
 
Está cansada da vida?
 
Laura Cansada não é a palavra, só não vejo sentido, cansada da uma sensação de aborrecimento, ou sei lá só não entendo
 
Em algum momento deixou de amar o seu filho?
 
Laura Não. Vejo o amor ao filho como uma coisa que não se escolhe, se sente e pronto
e pensar em vê-lo sofrer isso traz dor física, dói o peito...
 
 Considera que já aceitou o diagnóstico dele?
 
Laura Sim. Eu só o mudaria, ou só o tento mudar para que ele possa viver sem mim
porque se eu tivesse a certeza não mudaria nada, ele é a pessoa mais perfeita que conheço
mas para o mundo preciso que ele se comunique.Ele é doce,ele é lindo!
 
E quanto ao seu filho mais velho, está mais descansada?
 
Laura Sim,sei que ele já sabe se cuidar e já se entende.Queria que ele entendesse o irmão
mas, quem sabe um dia, a vida dá tantas voltas...
 
 
Já falou com alguém sobre esses pensamentos que de vez em quando tem?
 
Laura Só do medo de deixa-lo, não falo de suicídio...
 
Tem vergonha do assunto?
 
Laura Não tenho.
As pessoas é que se chocam e não entendem a racionalidade por trás da questão. Como eu disse não tenho desespero, só sinto dor em pensar que posso deixa-lo só...
 
Quando esses pensamentos passam sente-se culpada?
 
Laura Não,entendo que é o meu subconsciente perturbado, tentando encontrar uma saida
acho que é o instinto materno tentando proteje-lo da maneira errada.
 
Para terminar, qual é a sua opinião quando ouve casos de mães que assassinam os filhos?
 
Laura e ficam vivas?
 
não que morrem mesmo...
 
Laura As mães e os filhos ou elas só matam os filhos?
 
 
as duas coisas... qual é a sua opinião?
 
Laura  Apesar de ter pensamentos assim não acredito que conseguiria fazê-lo.Tirar a vida de alguém, é vê-lo sofrer mesmo que por pouco. E ver o meu filho sofrer e viver com isso, não dá.
E se for para morrer junto tem que ser muito rapido, não sei.Não sei julgar...
 
 
 
 
 
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário